Fieto Tocantins forte 340X75
 
 
 
 

Editoriais \ tocantins agora-to.com.br

Terça-feira , 10 de Outubro de 2017 - 16hs49

29 anos

Tocantins chega aos 29 anos com mais vontade de crescer

Fonte: Alvaro Vallim

Tamanho da Letra A- A+

Alvaro Vallim

Alvaro Vallim é jornalista

Vou começar esta reflexão como diriam editores de grandes veículos de comunicação que ajudaram a ampliar a crise econômica gerada pela crise política instalada desde o final de 2014. Apesar da crise, o Tocantins vai vencendo barreiras e se desenvolvendo em patamares melhores que vários estados da Federação. O Tocantins precisa agora alavancar setores da economia que ainda aguardam estruturação para atrair investimentos, como é o caso da agroindústria, do turismo, da piscicultura e por que não dizer do próprio comércio.

Mas temos que analisar o Tocantins não apenas pelo momento, mas por tudo que aconteceu ao longo dos últimos 29 anos, desde que a região deixou de ser o Norte de Goiás e passou a ser mais um ente da Federação. De lá para cá, muitos avanços são visíveis a olho nu. Temos mais estradas pavimentadas, já que naquela época era só a Belém-Brasília e mais dois trechos, um deles o que liga a BR-153 a Porto Nacional.

Agora, nossos jovens e nossas crianças têm mais escolas, temos mais universidades, sendo que a Universidade Federal do Tocantins (UFT) tem sete câmpus. Temos o Instituto Federal de Ensino Tecnológico (IFTO) com várias unidades também e ainda com ensino médio tecnológico, atendendo a várias necessidades imediatas do mercado de trabalho. Nossos jovens não precisam mais ficar longe das famílias para ter direito ao estudo de nível superior. Também temos várias universidades e faculdades particulares que trouxeram ao Tocantins ensino de qualidade.

Em várias cidades, a população tem acesso ao ensino superior através da educação à distância, uma modalidade permitida com o avanço tecnológico e com a estrutura de telefonia e internet. Temos também a Universidade Estadual do Tocantins, a Unitins, que repassou sua estrutura à UFT, quando foi criada, e agora passa por uma revitalização estrutural física e humana com novos prédios, servidores concursados e um espaço imenso para oferecer ainda mais aos jovens tocantinenses.

Há 29 anos, em muitos municípios, o jovem que quisesse ter acesso aos estudos precisava ir para outra cidade maior próxima e depois para outro estado. As poucas faculdades que já estavam instaladas ofereciam poucos cursos, limitando opções e obrigando muitos a deixarem a região rumo a Goiânia, Brasília, Belém, São Luis e outras grandes cidades. Hoje, a maioria pode estar perto da família e mesmo aqueles que não tiveram uma oportunidade de estudo quando jovens, podem alcançar este sonho. Mesmo nas cidades onde não há uma faculdade ou uma unidade, há jovens e pais e mães de família alcançando o ensino superior.

Voltando à estrutura, o Tocantins é dotado de várias usinas hidrelétricas. Quando o Estado começou a ser implantado, as redes de energia eram poucas também e comprávamos de fora a maior parte do que era consumido aqui. Havia quedas constantes no decorrer dos dias e com isso sofriam comerciantes e as famílias com perdas. Atualmente, temos redes que atendem todos os rincões do Estado e vendemos energia para outros estados. Na esteira do desenvolvimento tecnológico, em breve, o Tocantins será um dos grandes produtores de energia fotovoltaica, ou energia solar, como é mais popularmente conhecida esta forma de geração.

Há 29 anos a telefonia também era uma lástima. Em determinados horários levava-se mais de uma hora para falar com cidades como Goiânia e Brasília, mesmo ligando na modalidade DDD. Era difícil até falar entre as cidades tocantinenses. Agora, temos telefonia fixa e celular em todos os municípios, mesmo que em alguns haja dificuldades com celulares e internet, estamos muito melhor que naqueles dias. Até o povoado do Mumbuca, em Mateiros, região do Jalapão, que há 29 anos era praticamente isolado do restante do Tocantins, é atendido por internet.

E falando em Jalapão, é ele que vai proporcionar ao Tocantins a oportunidade de ser mostrado nos próximos seis meses, diariamente, em todo o Brasil e em mais de 130 países. É para o Jalapão que já correm anualmente alguns milhares de turistas, para experimentar suas belezas únicas e atrativos intrigantes como os fervedouros e lindas e deliciosas cachoeiras. A região começa a gerar empregos e renda além do artesanato do Capim Dourado. E para chegar ao Jalapão, todos passam antes e depois por Palmas, onde emprego e renda também são gerados com este fluxo turístico.

Há 29 anos nossa produção agrícola só não era nula por conta do Projeto Rio Formoso. E foi com base nele que a agricultura se expandiu e cresceu. As regiões de Formoso do Araguaia e Lagoa da Confusão cresceram em produção agrícola e continuam crescendo. Temos ainda a região de Pedro Afonso, no Centro e Nordeste do Estado, onde há grande produção de soja e agora cana-de-açucar. Lá está uma das maiores agroindústrias do Tocantins com a produção de álcool combustível. E não podemos esquecer a região metropolitana de Palmas que produz hortaliças e fruticultura.

O Tocantins é respeitado no mundo por respeitar a Natureza e conseguiu muitos investimentos por conta disso. O Tocantins não é o mesmo de 29 anos atrás, certamente, mas tem na alma de sua gente a mesma vontade de se desenvolver, de crescer, de trabalhar. Temos muito a crescer. Temos muito a desenvolver. Temos muito a fazer, mesmo que sejamos tocantinenses vindos do Brasil inteiro, do mundo inteiro. Avante Tocantins, avante povo tocantinense.


Comentários enviados por leitores:

Sem comentários registrados/aprovados até o momento.
Quer ser o primeiro a comentar esta notícia? Clique aqui...

Plantão

+ Comentadas

2008 - 2017 Agora Tô OnLine - Seu portal de Notícias - Todos os direitos reservados | Contato/Fax: (63) 3214-1853 | redacao@agora-to.com.br