Siga nas redes sociais

Alerta: crianças menores e o vício em celular e tecnologia

Foto: Divulgação

A dependência tecnológica precoce vem alarmando, cada vez mais, pais, educadores, médicos e profissionais de saúde mental. Atualmente, não raro, vemos o celular sendo manuseado por crianças abaixo de 5 anos.

E, infelizmente, a tecnologia em si, tornou-se um “instrumento para acalmar ou distrair os filhos”, para que os pais possam trabalhar, socializar ou descansar. Como corrigir esse problema e como saber quando um simples lazer ou uma tentativa de “distrair” o filho, se transforma em um problema que deve ser levado a sério?

A intensidade, frequência e duração do tempo de utilização da tecnologia por crianças e jovens, são fatores identificação dos excessos.

A exposição ao celular em detrimento de brincadeiras lúdicas, ou mesmo do estudo e dedicação às tarefas escolares, pode levar a criança a se sentir incapaz de controlar ou de colocar um limite no tempo em que realiza a atividade.

Além disso, o jogo ou celular passa a ser sua prioridade, acima dos interesses vitais, como: comer, dormir, descansar, higienizar, socializar, dentre outras rotinas cotidianas. Por fim, é muito comum perceber que, à medida que o vício se torna incontrolável, a pessoa começa a ter uma escalada de tempo crescente para tudo que é tecnológico.

Pensando nas causas deste problema, ainda não temos uma causa específica e determinada, podendo ser um somatório de fatores. O fato de, alguns responsáveis, estarem ocupados demais, com mil tarefas e sem tempo para orientar, brincar e interagir com o filho, é uma delas.

Com isso, a criança ou o adolescente cresce interiorizando uma carência afetiva. Claro que, a questão se torna muito subjetiva, pois pode ser por fuga da realidade, necessidade de se desafiar a todo instante – quando o assunto for games, procrastinação, baixa autoestima, dificuldades de autocontrole, impulsividade, deficiência comunicativa, déficit do manejo emocional, timidez em excesso, ansiedade, prejuízos cognitivos, entre outros.

Porém, é uma porta de entrada para desenvolvimento do vício. Mas, assim como todo tipo de vício (drogas, alcoolismo, tabagismos, sexo, compras…) existe o fator recompensa cerebral. Um mecanismo biológico que provoca motivações para permanecer no vício. Isso acontece porque o neurotransmissor dopamina é liberado, provocando prazer imediato, favorecendo a permanência na atividade.

E o que fazer? Substituir celulares, tecnológicos, por atenção, acolhimento e tempo de qualidade. Criar regras e não permitir o uso de celulares em escolas, limitando também o uso cotidiano. Para as crianças menos de 5 anos, não estimular a tecnologia em nenhuma hipótese.

Fornecer o lúdico e brincadeiras que propiciam interação com a família e outras crianças, é fundamental. No entanto, se a situação já estiver fora do controle, o mais comum é buscar a ajuda de um profissional de saúde mental. Ou seja, rotinas precisam ser criadas e determinadas regras para impedir o vício da utilização.

Enfim, tanto a escola quanto a família podem, juntos, trabalhar a eficácia desse processo. A introdução do celular em crianças pequenas deve ser abolida e nas escolas a regra de “não utilização”, instituída. Portanto, a união dessa rede de apoio, aliada ao acompanhamento psicoterápico, se necessário, são muito eficazes no combate aos exageros.

Compartilhar nas redes sociais
Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email
Telegram

Artigos relacionados

Notícias Em destaque

Pular para o conteúdo