Siga nas redes sociais

Araguaína inicia a implementação da Lei da Escuta Protegida

Foto: Divulgação

A Prefeitura de Araguaína iniciou as articulações, junto à rede de proteção da criança e do adolescente, para a implementação da Lei da Escuta Protegida na cidade. Um comitê foi criado para tratar do assunto e elaborar um protocolo unificado de atendimento aos jovens vítimas ou testemunhas de violência, de modo que possam ser ouvidos de forma adequada, visando reprimir a revitimização.

O comitê é formado por representantes das secretarias municipais da Assistência Social, da Saúde, da Educação, Secretaria Especial da Mulher, Conselho Tutelar, Guarda Municipal de Araguaína, Polícia Civil e Polícia Militar.

“Entendemos que o comitê é um passo muito importante para o aprimoramento das ações de proteção à criança e ao adolescente na nossa cidade, uma vez que articula a rede em um outro nível e possibilita o avançar de ações que mudarão nossa perspectiva a respeito do assunto. Em breve iniciaremos as ações que fortalecerão esse caminho”, informa a diretora de Políticas Públicas da Secretaria da Assistência Social, Trabalho e Habitação, Rhaíssa da Rosa.

Segurança para todos os envolvidos

Para a conselheira tutelar, Renata Reggo, um protocolo unificado de atendimento para vítimas ou testemunhas de violência traz respaldo aos profissionais que atuam na rede de proteção, além da garantia que a vítima será tratada de forma digna e humanizada.

“A criança ou adolescente que foi vítima de alguma forma de violência, sempre que é condicionado a falar sobre o determinado assunto, obrigatoriamente revive a fatídica cena, o que leva a um quadro de fragilidade emocional com consequências a longo prazo”, lembra Renata.

“O despertar da rede para construção de um protocolo unificado de escuta com uma visão e abordagem multiprofissional contribuirá, em muito, para atingirmos a finalidade da própria rede, que é a proteção integral das crianças e adolescentes vítimas de violência”,  explicou o delegado Charles Arruda, titular da 2ª Delegacia Especializada de Atendimento a Vulneráveis (DAV).

A criação de um protocolo de atendimento às vítimas está alinhada à Lei 13.431/2017, que dispõe sobre as ações para evitar a revitimização de quem já sofre com a violência.

Lei da Escuta Protegida

A legislação visa possibilitar que os depoimentos de crianças e adolescentes vítimas e testemunhas de violência sejam realizados com o apoio de uma equipe técnica capacitada, evitando-se ao máximo o contato com o agressor e a reiteração do depoimento.

O projeto prevê ainda que a tomada de depoimento seja realizada com uma linguagem apropriada à criança, protegendo-a da revitimização. Os depoimentos serão gravados para impedir a repetição e para evitar a possibilidade de alterações no depoimento, o que pode livrar os culpados, visto que pessoas próximas ao agressor ou o próprio agressor podem pressionar a vítima a mudar o depoimento.

“Quando se trata de violência contra crianças e adolescentes, os integrantes da rede, em suas peculiaridades, devem ser o porto seguro das vítimas, que muitas vezes não encontram guarida nem mesmo no seio daqueles que lhe são próximos”, ressalta o delegado.

Próximas etapas

Dando andamento às tratativas para implementação da lei, serão realizadas capacitações de toda a rede que realiza o atendimento direto com a comunidade, como os Centro de Referência da Assistência Social (CRAS), Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS), GMA, PM, entre outros.

 

Compartilhar nas redes sociais
Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email
Telegram

Artigos relacionados

Notícias Em destaque

Pular para o conteúdo