Siga nas redes sociais

Curso promovido pela Embrapa trata de compostagem promovida por piolhos-de-cobra

Foto: Ana Lúcia Ferreira

Nesta semana, entre terça e quinta-feira, a Embrapa promove três edições de curso sobre gongocompostagem (compostagem promovida por piolhos-de-cobra) em Palmas-TO e na vizinha Porto Nacional. A participação é gratuita e aberta a todos os interessados. Na terça, o curso acontecerá na Escola Municipal Professor Fidêncio Bogo, em Palmas; no dia seguinte, será na Escola Família Agrícola de Porto Nacional; e na quinta na sede da Embrapa em Palmas.

A programação e o conteúdo são os mesmos nos três dias. Na parte da manhã, são duas palestras. A primeira sobre agricultura urbana e aproveitamento de resíduos sólidos orgânicos para produção de alimentos, com o pesquisador Divonzil Cordeiro, da Embrapa Pesca e Aquicultura (Palmas-TO). E a segunda trata da gongocompostagem como nova alternativa de substrato na produção de mudas de hortaliças, com Maria Elizabeth Fernandes Correia, pesquisadora da Embrapa Agrobiologia (Seropédica-RJ).

A tarde está reservada para as atividades práticas. O curso faz parte do projeto Utilização de resíduos sólidos orgânicos para melhoria da qualidade ambiental e segurança alimentar de populações de baixa renda e merenda escolar, coordenado em Palmas e região por Divonzil. Financiado pelo Banco da Amazônia (Basa), o projeto tem trabalhado com agricultura urbana junto a diferentes públicos.

Para Divonzil, com o curso, “a expectativa é oferecer a todos os interessados mais uma alternativa para utilização de resíduos sólidos orgânicos urbanos como matéria-prima para produção de bioinsumos, que poderão ser úteis para produção de plantas saudáveis e outros. Além disso, esta proposta vai reduzir sensivelmente o volume de resíduos destinados ao aterro municipal”.

Maria Elizabeth explica que o objetivo é “sensibilizar diferentes públicos para a possibilidade e a importância da reciclagem de resíduos orgânicos através da compostagem utilizando piolho-de-cobra, cujo composto pode ser usado na produção de mudas e em hortas”.

Produtores e extensionistas de municípios da Baixada Fluminense e da Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro já participaram desse curso. De acordo com a pesquisadora, “os produtores que iniciaram a gongocompostagem têm adaptado o processo às condições das suas propriedades e utilizado o gongocomposto para produção de mudas de hortaliças, mas também para uso em canteiros, especialmente no momento do plantio”.

Compartilhar nas redes sociais
Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email
Telegram

Artigos relacionados

Notícias Em destaque

Pular para o conteúdo