Siga nas redes sociais

Doença Renal Crônica: Cada vez mais comum em crianças


Com todo o avanço da medicina, a atenção voltada cada vez mais para a genética e para as doenças crônicas, ainda hoje é comum nos ocuparmos mais com as consequências do que com as causas. Entre tantas, um dos exemplos é a Doença Renal Crônica (DRC), considerada problema de saúde pública, com elevada taxa de morbidade e mortalidade e impacto negativo sobre a qualidade de vida relacionada à saúde (QVRS). Soma-se a isto, o número de crianças afetadas pela DRC ainda em seus primeiros anos de vida.


Em todo mundo, a Doença Renal Crônica é um grave problema de saúde pública. No Brasil, ela recebe mais atenção quando é detectada já em seu estágio avançado, muitas vezes na fase de terapia renal substitutiva (dialise ou transplante renal). A taxa de mortalidade para as crianças em diálise é de 30 a 150 vezes maior do que na população geral. E mais: segundo dados do IBGE (2005- 2009), somente no Rio de Janeiro a incidência é de 25 pacientes com doença renal terminal (necessitando de diálise)/milhão na população infantil; Em São Paulo, somente no Hospital do Rim e Hipertensão (Unifesp-EPM) foram realizados, em2009, 78 transplantes em crianças. Em 1988, data de início do transplante infantil, foi realizado apenas 1 transplante/ano.


"Exceto questões congênitas, a prevenção começa com uma boa alimentação e a educação para a prática de exercícios físicos. Os pais devem ficar atentos para alguns sinais de alerta tais como: edema, alteração da cor ou odor da urina, baixa estatura, cansaço, anemia que não responde ao tratamento, além de mensuração dapressão arterial pelo pediatra”, observa a nefrologista Maria Cristina de Andrade, especialista na área pela Sociedade Brasileira de Nefrologia e pela Sociedade Brasileira de Pediatria, que complementa “a detecção e o tratamento precoce muitas vezes impedem o agravamento da doença que, com o passar dos anos, pode levarà falência renal, necessidade de diálise ou transplante de rim”.


Pressão sanguínea alta, anemia, ossos fracos, nutrição prejudicada e afecções nervosas são alguns dos sintomas e implicações das doenças renais. Em alguns casos, sem alternativas de melhoras rápidas, podem apresentar uma evolução progressiva. E, como efeito, problemas médicos, sociais, econômicos e psicológicos são identificáveis neste processo. Quando não se trata a DRC em crianças, as consequências são ainda maiores e mais dolorosas, para elas e para os pais.


Por isto, como alerta a dra. Maria Cristina de Andrade, o diagnóstico precoce pode evitar que a insuficiência renal piore e que desenvolva comprometimentos sérios à saúde geral da criança, inclusive doenças cardíacas, por exemplo. “É importante detectar estes problemas na infância, pois os reflexos futuros são certos. A questão não é saber se poderemos viver mais de 100, 150 anos, mas sim como viver este tempo todo de forma saudável”, diz a nefrologista.


Fechar o diagnóstico de uma DRC nem sempre é fácil e requer investigação de um especialista na área.“A descoberta e tratamento precoce da doença é de grande importância para retardar a sua progressão e o acompanhamento da criança deve ser multidisciplinar, visando minimizar todos os fatores que venham a comprometer a sua qualidade de vida,inclusive no que tange à compreensão de sua condição”, completa a especialista da Sociedade Brasileira de Nefrologia e da Sociedade Brasileira de Pediatria.


 


Veja no quadro abaixo os principais fatores da Doença Renal Crônica na

infância:


História familiar de rins policísticos ou outra doença genética

Baixo peso ao nascimento

Histórico de insuficiência renal aguda por lesão hipóxico-isquêmica ou outro agravo no período peri-natal

Displasia ou hipoplasia renal

Doenças urológicas, especialmente uropatias obstrutivas

Refluxo vesico-ureteral, principalmente associado com infecção urinária de repetição

História prévia de nefrite ou síndrome nefrótica

História prévia de síndrome hemolítico urêmica

História de púrpura de Henoch-Schoenlein

Diabetes mellitus

Lupus eritematoso sistêmico

História de hipertensão arterial


 


Dra. Maria Cristina de Andrade:


Autora do livro “Nefrologia para Pediatras”, mestre e doutora em pediatria pela Unifesp/EPM, especialista em pediatria pela Sociedade Brasileira de Pediatria, com área de atuação em Nefrologia Pediátrica pela Sociedade Brasileira de Nefrologia e Sociedade Brasileira de Pediatria.


Com estágio no exterior como parte da pós-graduaçãopela Pediatric Nephrology Service da University of California – Los Angeles (UCLA), dra. Maria Cristina atua desde 1998 como nefrologista pediátrica, responsável pela enfermaria de nefropediatria do Hospital São Paulo (Unifesp), orientando residentes de pediatria e de nefrologia pediátrica. Também atua como nefrologista pediátrica do Hospital Infantil Sabará (SP). Ainda exerce atividade docente como professora de pediatria para alunos do segundo, terceiro e quarto ano de medicina da Escola Paulista de Medicina (Unifesp). Dedica grande parte de seu tempo também à redação de artigos científicos e participação como palestrante em simpósios nacionais e internacionais do segmento.

Compartilhar nas redes sociais
Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email
Telegram

Artigos relacionados

Notícias Em destaque

Pular para o conteúdo