Siga nas redes sociais

Familia de politicos quer permanecer no poder


Na cidade de São Bento do Tocantins (TO), há 540 km de Palmas, uma familia quer burlar a lei e administrar a cidade por mais de dois mandatos consecutivos.                                                                                                                                                                        Conforme denunciado por moradores da cidade, um mesmo grupo familiar já governou o município por dois mandatos consecutivos e agora disputa o terceiro. As denúncias referem-se ás eleições dos anos de 2004, 2008 e 2012. Segundo registros eleitorais, Oscar Milhomem, pai da atual prefeita, foi eleito em 2004 e governou até 2006, ano em que faleceu. No pleito seguinte, eleições de 2008, Lafaete Milhomem (PMDB), filha do ex-prefeito, foi eleita para os próximos quatro anos, configurando, segundo entendimento do TSE, um caso de reeleição.


Agora em 2012, a atual prefeita tenta o terceiro mandato consecutivo e conseguiu parecer favorável da Justiça Eleitoral. Porém, segundo o art. 14, § 7º, da Constituição Federal, são inelegíveis, no mesmo município, o cônjuge e os parentes consanguíneos ou afins, até o segundo grau ou por adoção, do Presidente da República, de Governador, de Prefeito ou de quem os haja substituído dentro dos seis meses anteriores ao pleito, salvo se já titular de mandato eletivo e candidato à reeleição.


Neste sentido, conforme julgados do TSE, é inelegível o atual titular do Poder Executivo, se, no mandato anterior, o cargo fora ocupado por seu parente, até segundo grau, ainda que este tenha assumido o cargo por força de decisão judicial e não tenha exercido todo o mandato.


Ainda segundo o TSE, a eventual circunstância de vir o atual Prefeito a ser reeleito configuraria o terceiro mandato consecutivo circunscrito a uma mesma família e num mesmo território.


O fato do ex-prefeito Oscar Milhomem (PMDB) ter exercido pouco mais de um ano do mandato não afasta a inelegibilidade de que trata o art. 14, § 7º, da Constituição da República, segundo o TSE.


O mesmo entendimento se aplica aos casos de renúncia ou ocupação do cargo de prefeito por um curto período de tempo.

Compartilhar nas redes sociais
Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email
Telegram

Artigos relacionados

Notícias Em destaque

Pular para o conteúdo