Siga nas redes sociais

Governo do Tocantins celebra os 23 anos de criação do Parque Estadual do Jalapão

Uma paisagem exuberante, formada por rios, lagoas, cachoeiras, corredeiras, ressurgências hídricas (os populares fervedouros) e dunas. Assim é descrito o Parque Estadual do Jalapão (PEJ), que na sexta-feira, 12, completou 23 de sua criação pelo Governo do Tocantins e conta com programação especial na sexta e sábado, 13. 

As palavras, entretanto, não são suficientes para descrever a diversidade paisagística do cenário paradisíaco desta Unidade de Conservação (UC), localizada na porção leste do Estado, e que enche os olhos e encanta turistas de todas as partes do Brasil e até do exterior. 

Conforme o Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins), responsável pela gestão do PEJ, o número de visitantes nos atrativos do parque (Dunas e Serra do Espírito Santo) cresce a cada ano. Em 2023, foram 53.966 visitantes, um aumento de 6.095 em relação ao ano de 2022. Quanto às numerosas e crescentes visitas, o gerente das Unidades de Conservação do Naturatins, Rodrigo Sávio, observa que, por se tratar de uma área protegida, com enorme biodiversidade, o Instituto mantém rigorosa fiscalização para garantir que o fluxo de pessoas não cause danos irreparáveis ao lugar.  

 “Nossa prioridade é assegurar que as belezas do Parque Estadual do Jalapão possam ser contempladas e que não pode ter sua integridade colocada em risco seja pela atividade turística, de pesquisa ou qualquer outra ação. Por isso mesmo, o acesso à UC é controlado e precisa ser autorizado pelo Naturatins”, explica Rodrigo Sávio ao reforçar que o PEJ representa a maior área contínua de Cerrado do Brasil em alto grau de conservação, sendo abrigo para inúmeras espécies da flora, a exemplo do capim-dourado e buriti; e da fauna, algumas, inclusive, ameaçadas de extinção, como é o caso do pato-mergulhão. 

O encantamento 

O Parque Estadual do Jalapão recebe visitas durante o ano todo. As impressões de quem conhece as belezas da Unidade de Conservação são as mais variadas, porém, todos têm uma em comum: o encantamento. 

Rosirene Gomes de Carvalho veio de São Carlos, em São Paulo. Ela está com a família em Mateiros. Ela relata que é a primeira vez de todos no Jalapão e que é tudo muito maravilhoso. “A gente tem se surpreendido, é uma experiência nova”, disse a turista ao afirmar que estava muito feliz em conhecer um lugar tão maravilhoso, em especial as dunas.  

Também de São Paulo e visitando pela primeira vez o Parque Estadual do Jalapão, o Gilson Gomes de Carvalho afirmou que o lugar é surpreendente. “Estou impressionado com as dunas. Há muito queria conhecer o Jalapão e agora estou aqui realizando este sonho”.  

Outra debutante no Jalapão é a goianiense Fabiana das Flores Barros. “Estou amando este lugar. As dunas são perfeitas. Sem dúvidas, é um passeio maravilhoso. Adorando tudo, cada atrativo tem sua beleza”, afirma Fabiana ao citar ainda as paisagens da Serra do Espírito Santo e as cachoeiras.  

O jalapoeiro 

Jalapoeiro raiz, o Alessandro Machado nasceu e foi criado no Jalapão. Filho de família tradicional da região, ele fez seus estudos com foco no meio ambiente e há pouco mais de 10 anos passou a ser servidor concursado do Naturatins na função de guarda-parque. Alessandro fala com orgulho dos 23 anos de criação do Parque Estadual do Jalapão. 

“Para mim é muito importante essa data, tendo em vista que atuei como supervisor do PEJ e pude contribuir com várias ações para assegurar a integridade deste importante patrimônio natural do Tocantins e do Brasil”, ressalta Alessandro ao destacar que as atividades junto à comunidade e do Manejo Integrado do Fogo (MIF) foram bem produtivas em 2023, tendo a região registrado apenas duas ações de combate a incêndio florestal.  

Alessandro destacou também as ações de fiscalização do Naturatins nos campos de capim-dourado e buriti e apoio à comunidade no que diz respeito às atividades extrativistas de subsistência e da implementação do turismo de base.  


Dados técnicos

O Parque Estadual do Jalapão foi criado em 12 de janeiro de 2001, pertencendo à categoria de Unidades de Conservação de Proteção Integral do Tocantins. O objetivo de sua criação é a preservação dos recursos naturais da região na qual está inserido, fato que restringe suas formas de exploração, admitindo-se apenas o aproveitamento indireto de seus benefícios. 

O Parque tem pouco mais de 158 mil hectares e está concentrado apenas no município de Mateiros, sendo que seus limites atingem os marcos divisórios deste com os municípios de Ponte Alta do Tocantins, São Félix do Tocantins e Novo Acordo. 

O Parque representa um importante patrimônio ecológico nacional, uma vez que é atravessado por diversas sub-bacias que disponibilizam uma expressiva oferta de recursos hídricos, que abastecem especialmente o rio Tocantins. Por isso, o Jalapão é considerado a “caixa d’água” do Estado”.  

Os recursos naturais do parque e de toda a área do Jalapão, bem como a produção artesanal de suas comunidades, são protegidos por meio de ações e projetos encabeçados pelo Naturatins, que atua com diversos parceiros, dependendo da finalidade da ação proposta. 

Acesso

A partir da capital, Palmas, o acesso terrestre ao PEJ pode ser feito de duas maneiras. Pelo Norte, com acesso pelas rodovias TO-020, trecho Palmas – Novo Acordo (115 km), TO-030, trecho Novo Acordo – São Félix do Tocantins (147 km), seguindo depois pela rodovia TO-110, entre São Félix do Tocantins e Mateiros (79 km). 

Pelo sul, o caminho entre Palmas e o PEJ percorre trechos de rodovias pavimentadas como a TO-050 até Porto Nacional (60 km), que dá acesso à rodovia parcialmente pavimentada TO-255, que passa por Ponte Alta do Tocantins (135 km de asfalto) até atingir o município de Mateiros (165 km de terra). Uma rota alternativa, em fase de pavimentação, é o acesso pelo município de Lagoa do Tocantins.  

Quando visitar 

É possível visitar o Jalapão o ano todo, mas a estação seca, que vai de maio a setembro, é a mais indicada, especialmente por causa das condições das estradas. De outubro a abril, apesar de os dias serem menos quentes, as chuvas podem atrapalhar os passeios, pois além de dificultar o acesso, deixa as águas turvas e afeta a visibilidade do pôr do sol.

Atrativos

Na região do Jalapão, onde o PEJ está inserido, existe uma diversidade de paisagens. Além de deserto, com imensas dunas alaranjadas e uma grande quantidade de cursos d’água, existem ainda as rochas e a vegetação diferenciada, com imensos campos de capim dourado e buritizais.  

Dentro da área do Parque, os atrativos cuja visitação é contabilizada e fiscalizada pelo Naturatins são as Dunas, cartão postal do Jalapão, composto por areias finas e alaranjadas que chegam a 40 metros de altura, sendo um dos locais preferidos pelos visitantes para assistir ao pôr-do-sol; e a Serra do Espírito Santo, que oferece uma vista privilegiada da beleza e imensidão do Jalapão. A trilha até o topo é de cerca de 8 km de ida e volta e o trilheiro é recompensado com uma vista inesquecível do lugar.  

A Programação de aniversário de 23 anos do PEJ pode ser conferida no site do Naturatins.

Riqueza hídrica e natural do Jalapão encanta turistas de todas partes do país e até do exterior – Walker Ribeiro/Governo do Tocantins
 

Acesso aos atrativos do Parque Estadual do Jalapão necessita de autorização – Walker Ribeiro/Governo do Tocantins
 

Do Tocantins para o mundo, o capim-dourado é uma das riquezas da flora do Jalapão – Walker Ribeiro/Governo do Tocantins
 

Na Serra do Espírito Santo, as visitas são realizadas das 4 às 11 horas, para melhor contemplação – James Possap/Governo do Tocantins
 

No caminho das Dunas, outras belezas encantam os visitantes – Washington Luiz/Governo do Tocantins
 

Serra do Espírito Santo é outro atrativo bastante visitado – Aline Vilarinho/Governo do Tocantins
Compartilhar nas redes sociais
Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email
Telegram

Artigos relacionados

Notícias Em destaque

Pular para o conteúdo