Siga nas redes sociais

Marcello Gandini, designer do supercarro mais famoso do mundo, morre aos 85 anos

O designer automotivo Marcello Gandini em foto de 2019 / Stefano Guidi/LightRocket via Getty Images

Olhe para quase qualquer supercarro moderno de alta potência e você verá o trabalho do designer automotivo Marcello Gandini. Linhas afiadas, uma postura baixa, portas que se abrem para cima; todas foram influenciadas pelo trabalho seminal de Gandini, o Lamborghini Countach.

O Countach e seu antecessor, o Lamborghini Miura, são amplamente considerados os primeiros supercarros modernos, criando o modelo para uma categoria de veículo que ainda marca o ápice em desempenho e design automotivo. Gandini projetou ambos os carros e, se não tivesse feito mais nada, ainda seria lembrado.

Mas além de seu trabalho para a Lamborghini, Gandini produziu carros para fabricantes de automóveis como BMW, Fiat e Ferrari. Ele projetou carros de rally, hatchbacks econômicos (como o primeiro Volkswagen Polo e o Renault Supercinq, uma sequência do Renault 5), carros conceito e pelo menos um helicóptero.

Ele morreu na quarta-feira (14 de março) aos 85 anos em Turim, Itália, a cidade onde nasceu e onde – ao longo de sua carreira no estúdio de design Gruppo Bertone e, posteriormente, em sua própria empresa – ele trabalhou grande parte de sua magia no design automotivo.

Criando o supercarro

O Countach radical e de linhas afiadas de Gandini foi projetado como substituto do Lamborghini Miura, um carro com bordas curvas e fileiras de “cílios” pretos ao redor de seus faróis circulares. Enquanto o Miura era considerado um dos carros mais bonitos já feitos, ele não era radical – era, na verdade, a perfeição do design de carros esportivos até aquele momento. O Countach, revelado no Salão do Automóvel de Genebra em 1971, por outro lado, era angular e de linhas afiadas como cristal quebrado.

“Talvez eu não devesse dizer isso, mas nada melhor foi feito desde então”, disse Gandini sobre o Countach durante uma entrevista em 2019 à CNN no Museo Nazionale dell’Automobile, o Museu Nacional do Automóvel da Itália em Turim.

Antes do Countach veio o Lancia Stratos HF Zero em 1970. Olhando para esse carro esportivo, é quase difícil imaginar que é, na verdade, um automóvel dirigível. Em vez de portas, a cabine é acessada através de um pára-brisa que se abre para cima. Ao dirigir, a visibilidade traseira é proporcionada por um espelho retrovisor temporário que se fixa ao pára-brisa quase horizontal. A visibilidade traseira nos primeiros modelos do Countach era através de um periscópio embutido no teto.

Começando do zero

O interesse de Gandini por automóveis começou com a mecânica em vez do design. Quando ele tinha cinco anos, seu pai lhe comprou um conjunto Meccano, o brinquedo de construção metálica conhecido como Erector Set nos Estados Unidos. As crianças podiam construir carros, aviões e máquinas com finas chapas de metal e barras mantidas juntas por pequenos parafusos e porcas.

Aos 18 anos, Gandini se tornou mecânico. Um amigo rico com um Fiat OSCA 1500S que ele gostava de correr pediu a Gandini para trabalhar no motor. Gandini decidiu alterar também o corpo do carro, um projeto que se tornou sua entrada no design automotivo.

“Sempre amei coisas que se moviam”, disse Gandini. “Não objetos estáticos. Eles nunca me atraíram.”

Em 1965, ele ingressou no estúdio de design automotivo Gruppo Bertone, sediado em Turim, substituindo o famoso e altamente influente Giorgetto Giugiaro. O primeiro projeto de Gandini, um corpo que cobria o chassi e o motor de um Porsche 911, foi exibido no Salão do Automóvel de Genebra em 1966. Esse carro foi vendido em um leilão da Gooding & Co. em Pebble Beach, Califórnia, por US$ 1,4 milhão em 2018.

“Gandini não era apenas um designer; ele era um visionário, cuja habilidade e criatividade redefiniram os padrões estéticos de carros esportivos e de luxo, influenciando gerações de designers e entusiastas”, escreveu a Bertone em um tributo postado no dia 14 de março em sua página oficial no Instagram.

O ponto de partida para todos os seus projetos, disse Gandini, era o propósito. Cada um atendia a uma necessidade.

Os protótipos, ou carros conceito, eram seus favoritos, no entanto, ele disse. Eles deram a Gandini a oportunidade de criar formas automotivas totalmente novas. Ele adorava a oportunidade de começar do zero. E, nesses casos, a necessidade era simples.

“Quando estamos falando de um protótipo”, disse ele à CNN em 2019, “A coisa mais importante é criar uma sensação. Tanta sensação quanto possível.”

 

O Countach e seu antecessor, o Lamborghini Miura, são amplamente considerados os primeiros supercarros modernos, criando o modelo para uma categoria de veículos que ainda marca o ápice em desempenho automotivo e design

 

Fonte: CNN

 

Compartilhar nas redes sociais
Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email
Telegram

Artigos relacionados

Notícias Em destaque

Pular para o conteúdo