Siga nas redes sociais

Mulheres são maioria nos financiamentos de microcrédito da Prefeitura de Vitória


Em 2011, mais da metade do total de empréstimos feitos pela Gerência de Acesso ao Crédito, da Secretaria Municipal de Trabalho e Geração de Renda (Setger), por meio do Programa NossoCrédito, foram para tomadores do sexo feminino. Quadro que vem se repetindo e aumentado a cada ano.


No ano passado, o valor total dos recursos emprestados ficou em R$ 1.560.410,64. As mulheres foram responsáveis por 57% dos financiamentos realizados e a maioria dos recursos foi para a área do comércio (66%), seguido do setor serviços (22%).


Foram concedidos 322 créditos, sendo 182 para trabalhadores informais. Grande parte, 90%, utiliza o dinheiro para capital de giro: compra de maquinário, matéria-prima e etc.


Deusiane Benevides Marvila da Silva, 33 anos, mãe de 4 filhos, é cabeleireira. Depois de fazer um curso de qualificação oferecido pela Prefeitura de Vitória – para depiladora – e atender sua clientela em casa, há três anos, ela abriu um pequeno salão de beleza.


Como a iniciativa deu certo, ela resolveu ampliar seu negócio. Procurou o setor de microcrédito da Setger, pegou um financiamento e está ampliando o seu salão. "Tenho muitas clientes e o espaço que tinha não cabia mais ninguém. Agora, com uma área maior a procura aumentou e vou empregar mais duas ou três pessoas", afirma a cabeleireira Deusine da Silva, dona do Salão D e K Coiffeur.


Isabel Cristina Lemos Bandeira, 47 anos, costureira, casada, mãe de três filhos, sempre trabalhou como empregada de várias confecções. Há quase três anos resolveu tocar um negócio por conta própria com apenas uma máquina de costura.


André Sobral


 


Isabel Cristina Lemos Bandeira, que tem seu próprio ateliê, em Caratoíra, contratou mais duas funcionárias para ajudar na produção que vem crescendo


Depois, sentindo necessidade de expandir seu empreendimento, fez um empréstimo no programa NossoCrédito, comprou mais maquinário e também matéria-prima.


"Cansei de trabalhar para outras pessoas. Hoje, tenho o meu ateliê, o Maria Chiquinha, em Caratoíra, e contratei mais duas funcionárias para me ajudar na produção que vem crescendo", diz Isabel.


A renda média familiar dos tomadores de empréstimo no Programa NossoCrédito é de três a seis salários mínimos e a maioria dos financiamentos realizados ficam em torno de R$ 4 mil.


O Microcrédito do Espírito Santo pode conceder financiamentos a empreendedores de pequenos negócios, tanto na condição de pessoas físicas (também chamados de empreendedores informais) como na de pessoas jurídicas (micro e pequenas empresas e empreendedores formais), do setor urbano como do rural.


Público-alvo:

Empreendedores de pequenos negócios da economia formal e informal; pessoas físicas e jurídicas, de baixa renda e que tenham um negócio que contribua para a renda familiar; trabalhadores que concluíram cursos promovidos pelos Programas de Qualificação Profissional Municipal e ou Estadual, já inseridos no mercado de produção de bens ou serviços; cooperativas e outras formas de associação produtiva de bens e serviços do campo ou da cidade que sejam legalmente constituídas.


 

Compartilhar nas redes sociais
Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email
Telegram

Artigos relacionados

Notícias Em destaque

Pular para o conteúdo