Siga nas redes sociais

Nucora volta a cobrar banca de heteroidentificação em concurso da Guarda Metropolina de Palmas

Conforme afirmou a coordenadora do Nucora, defensora pública Letícia Amorim, o não atendimento da Recomendação tem trazido insegurança aos candidatos cotistas - foto Ilustração/Reprodução

Devido à ausência de um mecanismo capaz de validar as autodeclarações e evitar, assim, fraudes na ocupação das vagas de cotas no concurso da Guarda Metropolitana de Palmas, o Núcleo Especializado de Questões Étnicas e Combate ao Racismo (Nucora) da Defensoria Pública do Estado do Tocantins (DPE-TO) tem buscado, por meio de medidas extrajudiciais, a criação e implantação de uma banca de heteroidentificação para o certame.

No final de janeiro último, o Núcleo oficiou o secretário municipal de Segurança e Mobilidade Urbana de Palmas e presidente da comissão do concurso, Agostinho Araújo Rodrigues Júnior, relembrando a importância da banca de heteroidentificação como mecanismo complementar à autodeclaração racial, algo reconhecido, inicialmente, pelo Município em resposta à uma Recomendação do Núcleo em 2023. Porém, não atendido, conforme retificação no Edital nº 01/2022, que trata da seleção para provimento de cargos na Guarda Metropolitana da Capital, processo este que foi executada pela Fundação Vunesp.

Conforme afirmou a coordenadora do Nucora, defensora pública Letícia Amorim, o não atendimento da Recomendação Defensorial tem trazido insegurança aos candidatos cotistas, que, inclusive, estiveram na sede da Instituição em Palmas para tratar do tema.

“Nós esclarecemos a estes candidatos que, ainda no ano passado, o Nucora já havia enviado um ofício recomendatório para a Secretaria de Segurança e Mobilidade Urbana visando uma solução administrativa para este problema. No entanto, apesar da resposta positiva que recebemos da Pasta enquanto à criação da banca à época, isto não ocorreu efetivamente, o que provocou esta reiteração da nossa parte para que fraudes não ocorram na ocupação das vagas”, explicou Letícia Amorim.

Em resposta ao Nucora, no dia 29 último, o secretário Augustinho Júnior disse que a Secretaria e o Instituto Vinte de Maio estão tomando as devidas providências para atender ao pedido da Defensoria Pública.

Compartilhar nas redes sociais
Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email
Telegram

Artigos relacionados

Notícias Em destaque

Pular para o conteúdo