Terça, 09 Agosto 2022

Telefone: 63 3214-1853 | Whatsapp: 63 98403-8418 | E-mail: [email protected]

Opinião

Parto prematuro: saiba quando é indicado

Publicado em: Quinta, 13 Janeiro 2022 16:12 Escrito por Redação
Avalie este item
(0 votos)
Parto prematuro: saiba quando é indicado Créditos da imagem: Divulgação

A novela "Um Lugar ao Sol", em exibição na TV Globo, traz o dilema da personagem Ilana (Mariana Lima) que, grávida de gêmeas, é informada por sua médica que uma das bebês não tem espaço para crescer, sendo indicado um parto prematuro. A ação é a única chance de salvar a bebê, porém, coloca em risco a vida da outra criança, que está crescendo saudável. Na trama, a personagem decide pelo parto antecipado, mas desiste no dia da cirurgia. No entanto, pouco tempo depois, ela entra em trabalho de parto, precisa ser submetida a uma cesariana de emergência e uma bebê não resiste.

O ginecologista e obstetra Adriano Paião, que também é conselheiro científico da ONG Prematuridade.com, explica que o caso abordado na novela é denominado como "parto prematuro terapêutico" e é decorrente de indicação médica para o nascimento antes de 37 semanas de gravidez, devido a complicações como doenças maternas ou fetais. Segundo dados de 2014 publicados pela Organização Mundial de Saúde (OMS), esse tipo de prematuridade é responsável por 20% a 40% dos partos prematuros no mundo, variando conforme as condições de assistência médica locais.

"Uma das principais complicações que leva à interrupção da gestação por indicação médica antes do tempo ideal, é a hipertensão (pressão alta)", ressalta Paião. Dados do Boletim Epidemiológico publicado pelo Ministério da Saúde em maio de 2020 mostraram que a hipertensão foi a principal causa direta de morte materna dos óbitos ocorridos entre 1996 e 2018, seguida de hemorragia, infecção puerperal e aborto.

O médico fala que, quando a pressão está alta, provoca um esforço maior do coração para que o sangue seja distribuído corretamente pelo corpo. "Por isso, é de extrema importância que a gestante faça a aferição dos níveis pressóricos a cada consulta médica", salienta.

A pré-eclâmpsia ocorre pelo aumento da pressão arterial (igual ou maior que 140 x 90 mmHg), após a vigésima semana, associada à lesão de algum órgão alvo, como os rins, fígado, cérebro, coração, entre outros. "É mais comum nos extremos de idade e na primeira gravidez", pontua. "Para retardar o nascimento e evitar os efeitos da prematuridade, é possível manter a gestação até fases mais avançadas com uso de anti-hipertensivos. O controle deve ser mantido até 42 dias após o parto, pois as substâncias liberadas na placenta e que elevam a pressão arterial demoram a serem metabolizadas", acrescenta.

Especialistas apontam um aumento da prematuridade terapêutica em várias regiões do mundo nas últimas décadas. "A questão pode estar associada com o aumento das doenças maternas crônico-degenerativas, como a hipertensão, diabetes, síndrome metabólica, entre outras. Além disso, o perfil materno tem mudado, com a mulher engravidando mais tarde e com mais problemas de saúde. A obesidade, estresse, o consumo de álcool e fumo são outros fatores que contribuem para complicações durante a gravidez e que, por vezes levam à necessidade do parto prematuro terapêutico", salienta Paião.

Covid e parto prematuro terapêutico

O médico fala que não é possível afirmar que a Covid-19 tem relação com a prematuridade, no entanto, o vírus aumentou a prematuridade terapêutica. "Pacientes com o vírus e que necessitem ser entubadas podem ter a recomendação médica do parto prematuro terapêutico", diz.

Prevenção

Dependendo do grau de imaturidade, o recém-nascido precisará de tratamento, geralmente na UTI neonatal, para diminuir ao máximo a possibilidade de sequelas. "Esse é o grande problema da prematuridade, por isso, a prevenção é fundamental para evitar as sequelas, que podem impactar não só na idade infantil, mas até na fase adulta", destaca.

O conselheiro científico da ONG Prematuridade.com pontua que é de extrema importância esclarecer e conscientizar as gestantes sobre os fatores relacionados à questão "É muito importante que haja um trabalho de prevenção em unidades primárias ou secundárias de saúde, com esclarecimentos e uma abordagem criteriosa para identificar precocemente o risco de complicações e promover intervenções para evitá-las", ressalta. "E, para as mulheres, conversem com o ginecologista antes mesmo de engravidar. Ele poderá lhe dar conselhos muito úteis para que você inicie a gravidez de maneira saudável e evite um parto antes da hora", conclui.

Sobre a ONG Prematuridade.com

A Associação Brasileira de Pais, Familiares, Amigos e Cuidadores de Bebês Prematuros – ONG Prematuridade.com, é a única organização sem fins lucrativos dedicada, em âmbito nacional, à prevenção da prematuridade, à educação continuada para profissionais de saúde e à defesa de políticas públicas voltadas aos interesses das famílias de bebês prematuros.

A ONG é referência para ações voltadas à prematuridade e representa o Brasil em iniciativas e redes globais que visam o cuidado à saúde materna e neonatal. A organização desenvolve ações políticas e sociais, bem como projetos em parceria com a iniciativa privada, tais como campanhas de conscientização, ações beneficentes, capacitação de profissionais de saúde, colaboração em pesquisas, aconselhamento jurídico e acolhimento às famílias, entre outras.

Atualmente, são cerca de 5 mil famílias cadastradas, mais de 180 voluntários em 22 estados brasileiros e um Conselho Científico Interdisciplinar de excelência. Mais informações: https://www.prematuridade.com/.

Observatório da Prematuridade - A ONG também produziu o Observatório da Prematuridade, documento desenvolvido com base nos dados coletados pela Numb3rs Analytics e nas altas hospitalares codificadas pela plataforma Valor Saúde Brasil by DRG Brasil® no período de 1º de janeiro de 2019 a 30 de setembro de 2021. O material reúne diversos cenários de todo o país, como números de partos por tipo (vaginal ou cesareana); quantidade de leitos de UTI neonatal; número de consultas de pré-natal realizadas; quantidade de pediatras por estado; faixa etária das mães (uma vez que complicações gestacionais e no parto representam a principal causa de morte entre meninas de 15 a 19 anos mundialmente, pois existe maior risco de problemas – entre os quais a prematuridade -, segundo a Organização Mundial da Saúde), entre outros.

O conteúdo completo está disponível no link https://prematuridade.com/_files/view.php/download/pasta/9/618d55b6235f1.pdf

 

 

Fonte: Assessoria de Imprensa ONG Prematuridade.com 

Compartilhar nas redes sociais

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Notícias em destaque

O Portal Agora-TO é um site de notícias voltado para a divulgação de informações do Tocantins e do Brasil e é editado sob a responsabilidade da Moara Comunicação Ltda, empresa sucessora da Dias e Vallim Ltda., com 23 anos de experiência na área de comunicação e jornalismo.

Newsletter

Cadastre-se em nosso Newsletter e receba em seu e-mail as principais notícias e novidades do Agora Tocantins.

Fique tranquilo, seu e-mail estará 100% protegido. Odiamos spam!