Siga nas redes sociais

Projeto Jalapão é lançado com investimento de R$ 33,75 milhões


O Governo do Tocantins lançou na manhã desta terça-feira, 3, o “Projeto Jalapão”, também conhecido como Projeto para Prevenção, Controle e Monitoramento de Queimadas Irregulares e Incêndios Florestais no Cerrado. O evento aconteceu na Sala de Reuniões do Palácio Araguaia e contou com as presenças do secretário Divaldo Rezende, do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável; do presidente do Naturatins, Alexandre Tadeu; do comandante do Corpo de Bombeiros, coronel Lemes; e dos representantes do KFW – Banco Mundial da Alemanha, Hubert Eisele; da GIZ – Sociedade Alemã para Cooperação Internacional, Ingrid Prem; e do secretário de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental do MMA – Ministério do Meio Ambiente, Carlos Klink.

O projeto prevê o investimento de €$ 13,5 milhões de euros, o equivalente a R$ 33,75 milhões de reais, provenientes do KFW e da GIZ, com contrapartida do Governo Brasileiro. O objetivo do projeto é criar um plano de ação de combate às queimadas, incêndios e desmatamento no bioma Cerrado, contribuindo assim com a diminuição da emissão de gazes ao meio ambiente. Serão beneficiadas as regiões do Cantão e do Jalapão, englobando dez municípios, sete deles tocantinenses (Mateiros, São Félix, Ponte Alta do Tocantins, Rio da Conceição, Lagoa da Confusão, Pium e Caseara) e três piauienses (Corrente, Bom Jesus e Baixa Grande do Ribeira).

De acordo com o presidente do Naturatins, Alexandre Tadeu, o projeto será desenvolvido em um prazo de três anos e, além de criar um plano de combate e prevenção às queimadas, também irá buscar alternativas para substituição do fogo no manejo. “Serão desenvolvidas aços de capacitação que beneficiarão toda a comunidade”, disse ele.

Segundo o diretor de Departamento do MMA, Francisco Oliveira, essa é a primeira vez que um bioma fora da Amazônia recebe esse tipo de investimento. O diretor afirmou que o plano assegura o aprimoramento do monitoramento de incêndios, a compra de equipamentos, a capacitação de brigadistas, a disseminação de conhecimento e a implantação de uma base operativa na Estação Ecológica Serra Geral. “A intenção é preservar as funções do Cerrado, sendo que uma delas é a de sumidouro de carbono”, falou ele.

O secretário do MMA, Carlos Augusto Klink, destacou que o “Projeto Jalapão” faz parte do Projeto Nacional contra Mudanças Climáticas. “Nós trabalhamos em três vertentes e uma delas é a de que grande parte das emissões de gazes são causados pela transformação dos biomas. E nós descobrimos que podemos impedir grande parte dessas mudanças”, explicou ele, completando que o país precisa reduzir até 36% das emissões de gazes previstas para 2020.

O representante do Banco Mundial da Alemanha, Hubert Eisele, disse que a escolha do Tocantins foi estratégica. “O Cerrado é um Bioma que não recebe muitos investimentos na área ambiental, como tem a Amazônia, e o Tocantins foi beneficiado porque tem se preocupado em utilizar de forma sustentável o Bioma Cerrado, inclusive este Estado foi um dos pioneiros no sistema de baixo carbono”, completou

Compartilhar nas redes sociais
Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email
Telegram

Artigos relacionados

Notícias Em destaque

Pular para o conteúdo